quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Teclado USB no iPad

Tal como a maioria dos tablets, o iPad tem um teclado virtual em substituição do teclado físico. Aliás, para a grande maioria dos utilizadores a diferença entre um tablet e um pequeno portátil é exactamente a troca do teclado por um ecrã táctil que permite uma forma completamente diferente de mobilidade mas um teclado físico acaba por aumentar a produtividade em alguns casos.


A solução da Apple passa pela aquisição de um belo teclado bluetooth por pouco mais de 71€
Em alternativa (ou em complemento) existe outra solução que também dá bons resultados: a aquisição do Camera Connection Kit por 29€, composto de 2 úteis peças: um leitor de cartões SD e um adaptador USB para a ligação a uma máquina fotográfica. Mas...
Como bónus acresce que este segundo adaptador pode ser usado para ligar um qualquer teclado USB que esteja a sobrar por casa e utilizá-lo como teclado externo para o iPad.
Obviamente que alguns teclados podem não funcionar e no meu caso é a tecla de Delete que, conforme a aplicação usada, tanto apaga para a direita como apaga para a esquerda. Mas este pequeno adaptador tornou-se já um fiel companheiro de viagens: é mais prático do que transportar um teclado e suporta a utilização de acentos, teclas de cursor e controle de volume.

... E a mensagem a dizer "Este acessório USB não é suportado"?
Bem, eu leio-a sempre como "o seu teclado está ligado, pode começar a trabalhar :^)


Referências:

Camera Connection Kit
http://store.apple.com/pt/product/MC531ZM/A/kit-de-ligação-de-câmara-para-ipad-apple?fnode=3a

Teclado Bluetooth Apple
http://store.apple.com/pt/product/MC184PO/B/apple-teclado-sem-fios?fnode=3e

domingo, 2 de dezembro de 2012

"A sério, Varatojo?!"

O português não pode ser uma segunda língua nos tempos que correm. Por isso mesmo é que tem todo o sentido que se adaptem na totalidade as expressões estrangeiras que se infiltram no nosso dia a dia. Nesta primeira rodada, temos o prazer de converter a expressão:


"No shit, Sherlock?!"


Esta expressão, dita normalmente com o sobrolho levantado, pretende rematar uma conversa em que alguém refere um facto óbvio como "ah, está a nevar lá fora... deve estar frio" algo que só pode ser respondido com um sonoro "No shit, Sherlock?!" No entanto, estas verdades de La Palice devem ser sublinhadas por uma expressão portuguesa e não por uma importação anglo-saxónica, pelo que sugiro, aliás, declaro que o nosso Artur Varatojo, o jornalista-detective dos anos 80 está claramente ao nível do britânico Sherlock Holmes.

Artur Varatojo,  ABC do Crime (Video): https://www.youtube.com/watch?v=rBQqeUtLWJ0

Assim sendo quando alguém disser algo como "estar vivo é o contrário de estar morto" o correcto é responder com um patriótico "A sério, Varatojo?!"

Se todos nós fizermos a nossa parte, teremos um país mais culto :)



Leia aqui a entrada na Wikipédia:
http://pt.wikipedia.org/wiki/A_sério,_Varatojo?

Referências:

http://pt.wikipedia.org/wiki/Jacques_de_la_Palice

http://www.urbandictionary.com/define.php?term=no%20shit%20sherlock

Exemplos de utilização no twitter: 

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A long time ago...

No Condado Portucalense:


(Kronk a beber jeropiga)


Há muito, muito tempo atrás, um homem das cavernas acorda no meio de um vale que alguém viria a chamar Guimarães dali por 5 milhões de anos.


Este nosso homem das cavernas, chamemos-lhe Kronk, olha em redor, contempla uma floresta onde reinava a paz, e diz para consigo:

"Caramba, que belo pedaço de mundo este!"


Passeia por ali um pouco, caça, come e deita-se ao fim do dia a pensar numa morena jeitosa.



Entretanto, na Suécia:


(Sven a preparar uma roda para um Volvo)


Há muito, muito tempo atrás, um homem das cavernas acorda no meio de um vale que alguém dali por 5 milhões de anos e sem nexo aparente, viria a chamar Smårlsgenfich, talvez por ser o nome de uma simpática aldeia na Suécia.


Este nosso homem das cavernas, chamemos-lhe Sven, olha em redor, contempla uma floresta onde reinava a paz, que por estar coberta de neve tinha naquela altura um ar inacreditavelmente natalício e diz para consigo:

"Caramba, que belo pedaço de mundo este!  Agora deixa-me cá construir um abrigo senão amanhã acordo morto."


Sabem, eu tenho esta teoria: muito do que nós somos foi condicionado pelo clima da região onde passámos os últimos 5 milhões de anos. Não foi o período dos Descobrimentos que nos moldou nem tão pouco o nosso último ditador.


Foi o clima que não nos moldou.

sábado, 28 de abril de 2012

15 de Maio - Marcha dos Atropelados

Dia 15 de Maio 2012, terça-feira.

(era 8...)


Foi o dia que escolhi para organizar uma manifestação pela abertura de uma porta no muro com 1 quilómetro que separa a estação dos 11.000 habitantes que ela deveria servir.


Preciso que apareçam e digam que não estão satisfeitos com as condições actuais.

Venham protestar connosco:


Teremos ligaduras, sangue (falso) e t-shirts com marcas de pneus a atravessar o peito. Vamos perguntar à REFER se é mesmo preciso uma rua cheia de peões atropelados para finalmente fazerem algo simples:


ABRAM UMA PORTA!


... Porque já nem Berlim tem um muro com um quilómetro.






(Actualização: foto de uma centena de cidadãos a reclamar por melhores condições)