Sunday, 1 January 2017

My enterprise years

Some background first; most Portuguese companies have 10 or less employees and, although I lived mainly in sunny Lisbon, this holds true across the country. It's like a country made of decades old startups where a versatile person ends up doing a lot of different tasks.

Being a polymath, I loved that environment.

It's hard to imagine a workplace where the IT Director does a huge amount of developing, network administration, logo designing and client meetings.

In the wise words of Marco Silva I was the CWO - Chief Whatever Officer in a 1,5 million euro / year company for more than a decade and enjoyed it.

It all started in the brink of the year 2000 and the world was ready to implode with the millennium bug (Y2K). People were expecting planes to fall from the skies, computers to burst into flames and half the world's money to disappear into digital sinkholes. Yes, it was fun. Most of it never happened and if anything, the whole situation ended up being a perfectly good excuse for me to spend some time on code refactoring.

A lot happened in that decade: created and managed the IT Department for a company of 25 people, developed a system for the interchange of information to process license plates and taxes for motor vehicles according to Portuguese ever changing laws. And did all that maintaining an impressive quality of service if I may say so myself.



My daily routine was filled with development in SQL, VB6, custom controls playing a great part in every solution, resorting to tricks like webscraping to bridge the gap between non cooperative government systems, killing off obsolete systems, coming up with custom document management systems and supporting the Quality Management System after we got our ISO9001 certification.

No man is an island and I had the privilege of working with some fine professionals that came and went through the years:

João Quaresma, a quiet and methodical programmer with a warm sense of humor. Always dependable, day in day out he teamed up to code the foundations of an application for the company's core business and the whole experience reminds me that although some jobs will be long and boring, in the end you'll have something solid to build up from. Having done it with a long time friend was just an unexpected bonus.

Later I met Nuno Mendonça. He's part geek, part scout, a bit of an undercover evil master and a great friend to have around when in trouble. He was my guide into the early years of all things cloud and with great PHP, WordPress and craftsmanship skills. Alongside some soldering we came up with all kinds of unexpected solutions for everyday problems like intranet dashboards, temperature control, automated data backups and network management. He's the reason why I insisted my two daughters should be in the scouts as a way to build a strong and versatile human being.

When you get to work with great people, team management ends up being a great job: you just do your best to keep your team happy and everything works out. Major lesson learned there, as IT Director I would always take the blame for everything in management meetings. If something didn't happen as expected there was no point in trying to deflect responsibilities, we would do our jobs until we found a solution. And we did it in the best work environment possible.

When information technology becomes a great part of a small company, the IT guy plays a big role in corporate client meetings and working with giants like Vodafone, Mitsubishi Motors and Mercedes-Benz really gives you some nice negotiations skills. Be kind and assertive and when in doubt ask. In the end I still believe "under-promise but over-deliver" pays every time.

Building the IT software for medium sized company is not just about technology, it is about making sure a company is efficient and effective at all levels. These are the reason of why I loved being the CWO. 

If you have read up to here, you know what  I learned along almost two decades working in a enterprise environment. Since 2012 I've been self employed doing mostly outsourcing task. Still fun, just a different flavour of fun. 



(XKCD, a weekly companion for more than a decade.)

Tuesday, 14 June 2016

iPhone tip: How to connect to a SD+WiFi Card and still retain 4G connectivity

I love my Toshiba FlashAir card.

Looks like a normal SD Card, but has Wi-Fi connectivity which enables me to retrieve photos from my old and beloved Nikon D40 while on the road.

Shoot, transfer (to the iPhone), edit, publish, 100% mobile.

It replaced my ill-fated Eye-Fi card as there where soooo many things wrong on that puppy.

DO NOT BUY THIS!
(photo: Alexsh, Eye-Fi Pro X2 16GB, CC BY-SA 3.0)

Eye-Fi had a great product but then got a bit too greedy and decided to start selling the same card but with different prices depending on what you wanted to use it for.

Want to connect to a public Wi-Fi access point? That's £10 extra.
Want to connect directly to the iPhone? Another extra £10.
Want to transfer video files? Another extra £10.
Want to transfer RAW files? Another extra £10.
And so on, and so on...

Their business plan was to forbid every possible use and then charge you for that and so they were basically selling you the same card under different names like "Explore X2", "Geo X2", "Pro", "Geo", "Home/Video", "Share/Video", "Explore Video", etc...

Real bloodsuckers.

To add insult to injury, we were forced to use a desktop application to talk to Eye-Fi servers and check if our bills were in order before changing the settings on the card. And it was done in Adobe Air, the most disgusting version of Flash ever to see the light of day.

Blegh, *puke*!

But, I digress...


Toshiba FlashAir. Mine is the 32GB model.
(photo ColdSleeperFlashAir (8550935359)CC BY 2.0)

My new Toshiba FlashAir card was a no-frills solution: just a SD Card that connected to my iPhone through Wi-Fi.

Finally I could shoot pictures with my DSLR favorite 50mm prime lens and have it on Instagram 2 minutes later.

The only setback was a rather technical but very annoying problem: whenever I turned the camera ON, my iPhone would connect to the FlashAir card, allowing me to get the photos but I would lose mobile data connectivity. No iMessages, no Twitter, no email, no Instagram, etc.

So, while taking photos I was completely disconnected from the internet and even after retrieving the photos I had to remember to turn the camera off before trying to post something. A real bummer.

After some testing I finally figured out how to retain mobile data connectivity while using the FlashAir card. I can now take pictures and still get that important iMessage and upload posts seamlessly. It's a bliss.


1) Turn on your DSLR camera with the FlashAir card inside

(Now follow this instructions on the iPhone)

2) Go to "Settings" / "Wi-Fi" / Connect to "FlashAir"
3) Touch the (i) on the left of the network name
4) Note the current "IP Address" (probably 192.168.0.11 or similar)
5) Change "Configure IP" from "Automatic" to "Manual"
6) Enter the same IP Address you wrote down on step 4)
7) Enter "255.255.0.0" for the Subnet Mask and leave the field "Router" empty

... et voilá!




Now the FlashAir app can show you the pictures you take in a few seconds and you still get to use the iPhone for everything else. It doesn't get any sweeter than this.

Friday, 1 January 2016

Era 2015, passa a 2016.

Feliz 2016

"Era 2015, passa a 2016" ou a história por detrás da capa deste post, feita por mim e pelo Francisco Pinheiro.

Fechei 2015 com uma simpática lista de projetos executados. E porque as concretizações de cada ano são sempre fruto de esforço de várias talentos que compõem as equipas, aproveito para deixar aqui o meu abraço de agradecimento.


SBROING - Podcasts e Audiolivros

Talvez o mais inesperado dos projectos, o ano de 2015 viu nascer SBROING, um side project que se tornou uma fonte de alegrias. Destaque para a obra d' O Principezinho no ano em que saiu o filme. Falta ainda a apresentação do Projeto Rosinha, algo que deve ocorrer nos próximos dias.


Entrevista para Cidadania20

Ainda em jeito de Manual de Movimentos Cívicos, destaque para a entrevista com a Daniela Azevedo à plataforma Cidadania 2.0: a utilização das ferramentas Web centrada em Santa Apolónia e uma rua sem condições mínimas de circulação de peões.


Entrevista Público

Santa Apolónia - Fora das Linhas: Um trabalho a não perder feito pela Vera Moutinho para o Jornal Público, entrevistas em 14 paragens em torno da Estação de Santa Apolónia que comemorou 150 anos em 2015. Uma forma de dar a conhecer histórias que vivem na vizinhança de uma grande infraestrutura de transporte.



ICT2015 e SBROING

ICT2015, o maior evento de Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC) da Europa realizou-se em Lisboa no mês de outubro, uma iniciativa da Comissão Europeia este ano promovida em conjunto com a Fundação para Ciência e Tecnologia (FCT). Estive presente no stand da APDSI, Associação para a Promoção e Desenvolvimento da Sociedade da Informação, um fórum de debate sobre a Sociedade da Informação.


Entrevista SIC Mulher

A MakerFaire de 2015, a segunda edição deste festival de "mostra e conta" foi um sucesso e ultrapassou todos os valores do ano anterior. Portugal, de forma inesperada consegue surpreender pela comunidade de makers, os novos artesãos que gostam de criar coisas diferentes. Estive presente a convite do OOZ Labs, fomos entrevistados pelo programa Faz Sentido da SIC Mulher e diverti-me imenso a explicar aos visitantes as dificuldades de pilotar um rover em Marte. A crónica da Sabrina Merlo, a representante da Makermedia, explica bem o que foram aqueles 3 dias.


Entrevista LeCool Lisboa

O que nos leva à imagem no cimo da página: para fechar o ano de 2015 o Francisco Pinheiro criou uma capa para a LeCool Lisboa com base nas capas de todas as semanas anteriores e convidou-me para a tarefa de animar o resultado final. Deixo aqui a narrativa do processo em forma de entrevista.

Wednesday, 23 September 2015

VW Scandal - O escândalo dieselgate da Volkswagen.

Volskwagen Beetle, Golf, Jetta, e Passat, apanhados a fazer batota nos testes.

A VW recorria a um algoritmo de programação que conseguia perceber se o carro estava a ser conduzido na estrada ou a ser testado num banco de ensaios e mudar o seu comportamento em termos de poluição para valores 10 ou 40 vezes menores que o habitual para conseguir cumprir os limites de poluição.

A parte "TDI Clean Diesel" desta imagem foi largamente exagerada.
(FOTO: VW)


Como funciona?

Como programador, não consigo deixar de apreciar a elegância da solução encontrada para ativar o modo de "mentir descaradamente aos tipos da EPA": a forma como o software deteta que o automóvel não está realmente a andar a 120Km/h na autoestrada mas sim numa sala de laboratório é através da análise da posição do volante ao longo do tempo.

Estão a ver os pequenos toques de volante que damos para manter o carro em reta? Pois, isso não acontece se o automóvel estiver a circular em cima de rolos. Bingo!

Admiro a elegância da solução.
0% de ética mas 100% de elegância :)


A VW mentiu mesmo? Não pode ser um mal entendido?

Não. Ninguém consegue uma explicação credível para o software analisar as correcções no volante quando está a gerir o sistema de controle de motor/emissões. E até pode não ter sido só a VW a mentir porque todo o sistema é composto por vários empreiteiros e subcontratadores. Nunca saberemos exatamente quem sabia o quê, mas é bastante óbvio que a intenção era fazer batota nos testes.


Performance, consumos, poluição. 

Destes 3 escolham 2. Todos os motores vivem num equilíbrio entre estas três características porque quando se melhora um dos factores, é sempre às custa de impacto negativo nos outros. Ou seja, motores potentes consomem, se não poluirem, motores que emitam poucos gases nocivos terão performances fracas se não consumirem muito e etc. É o problema do mundo real se reger pelas leis da física.

Mas os motores da VW nos EUA poluem menos que na Europa?

Resposta curta: Não.

A resposta mais longa: os motores diesel que estão de acordo com as normas norte-americanas poluem menos que os europeus. Os da VW aparentemente estariam a operar com valores semelhantes às normas europeias que são mais liberais.


Mas os americanos têm normas mais rígidas que a Europa?

Os Estados Unidos da América, por tradição, gostam muito mais de motores a gasolina, tanto que não acham que exista algo de errado num Corvette com um motor de 6200 de cilindrada a gasolina para os quais nem sequer interessa referir os valores de poluição.

Corvette: serve para engatar miúdas, o ambiente que se lixe.


Mas o gasóleo era algo apenas usado em camiões feios e barulhentos. O resultado disso é que a indústria automóvel deles não tinha motores diesel minimamente interessantes e quando confrontados com os avanços dos fabricantes europeus, os lobbies das grande marcas conseguiram que o regulador (a Environmental Protection Agency) determinasse valores máximos aceitáveis muito abaixo dos valores europeus, uma forma de proteção semelhante às medidas que restringiam os vôos de aviões supersónicos de passageiros após a Boeing desistir dos seus planos para construir um concorrente do Concorde. Não tenho nada contra esse tipo de protecionismo, obviamente, parvos seriam eles se não o fizessem.
A solução que mais facilmente permitia cumprir esses limites era a AdBlue, que recorre a um sistema com um depósito adicional de ureia, uma coisa aceitável para camiões, mas vista como algo estranho para automóveis de passageiros.

"O quê, dois depósitos?!" (FOTO: Mercedes-Benz)


O que nos leva à questão do porquê...

O grupo Volkswagen apostou fortemente nos motores diesel durante as últimas décadas. Numa altura em que outras marcas como a Toyota e a Tesla investiram para conseguir progressos (e sucessos) em soluções para automóveis elétricos, a VW brandiu a bandeira que o diesel teria um grande futuro, fazendo propaganda com o Audi R15/R18 que corre nas 24H de LeMans com um motor a gasóleo, porque o consumidor acredita sempre que os sucessos na competição têm algo a ver com os veículos que conduz no dia a dia (nunca tem, mas o consumidor é, por norma, parvo).
Essa aposta forte no diesel correu bem na Europa mas o mercado norte-americano continuava a ser apetecível e a ideia de conseguir convencer os consumidores que os motores TDI eram realmente limpos sem recurso a soluções "estranhas" como o AdBlue foi demasiado tentadora.
Esta não terá sido a primeira nem a última vez que uma indústria mente descaradamente, mas quando uma empresa enfrenta multas de 37.000€ por cada um dos 11 milhões de veículos vendidos nestes anos, a situação tem contornos de calamidade. Com as acções do grupo Volkswagen a cair a pique e uma mancha indelével na credibilidade, podemos ter a certeza que será necessário repensar toda a estratégia de uma empresa e mudança para uma aposta em modelos a gasolina ou elétricos é mais do que esperada. Mas tudo isso demora tempo e é certo que alguns cortes terão de ser feitos.


O que significa para Portugal?

Nada de bom. A mentira da VW não deve afetar os motores dos nossos adorados Audis A4 e VW Passat mas quando uma empresa enfrenta multas 3 vezes superiores ao seu valor atual podemos concluir que está falida. Durante os próximos meses serão negociados os termos da multa a aplicar e veremos então o que sobra do grande gigante automóvel alemão e a fábrica da Autoeuropa em Palmela, que produz o VW Scirocco, está claramente na linha de fogo.


(Foto: VW/Autoeuropa)

Num cenário de luta pela sobrevivência da marca, os modelos desportivos não têm razão de ser e reconverter uma fábrica tem custos elevados que a fraca procura dos outros modelos não conseguirá sustentar.

Alguém sabe de cabeça quantas fábricas existem no distrito de Setúbal a depender diretamente da produção da AutoEuropa?

Claro que tudo isto tanto pode ditar o fim da Volkswagen como pode vir a ser resolvido nos bastidores e meia dúzia de manobras de relações públicas. Aguardemos os próximos capítulos.

Monday, 14 September 2015

Lisbon MakerFaire 2015 - Projecto OOZ 2 Mars

Mais um ano e mais uma MakerFaire e este ano estarei a acompanhar o Luis e o Nuno do OOZ Labs com um pequeno Rover semelhante aos que foram construídos pela NASA para explorar Marte, o nosso planeta vizinho.






Explica lá o que fizeste desta vez?
Estamos a construir um sistema completo para proporcionar a experiência de comandar um veículo semi autónomo (um pequeno rover) num planeta a que chega a estar a 400 milhões de quilómetros de distância da terra.

Mas qual é a dificuldade? Não é um carro radio comandado?
Devido à distância que separa os dois planetas, mesmo à velocidade da luz, um sinal rádio demora entre 4 a 20 minutos a chegar a Marte. E por isso não é possível controlar diretamente o veículo: depois de dar a ordem de avançar, teriam de esperar 20 minutos para o rover avançar e apenas 40 minutos depois iriam receber a imagem do local onde o rover estaria. Não é prático.

Então é um robot autónomo?
Quase. O rover está dotado de sistemas que lhe permitem evitar obstáculos mas recebe sequências de comandos para se deslocar e proceder a experiências científicas. Além disso fizemos também um Posto de Comando que recolhe as instruções a executar e um sistema de comunicações para enviar os pedidos para o rover e receber as imagens de marte.

E está mesmo em Marte?
Bem, os veículos construídos pela NASA, sim. O nosso está logo ali ao lado, num espaço de 8m2 que simula o terreno marciano :)

Onde posso ver isso a funcionar?
Aparece na LISBON MAKER FAIRE no Pavilhão do Conhecimento, dias 18, 19 e 20 de setembro, um festival de criadores de coisas (engenhocas e similares). Além de poderes comandar o nosso rover, terás várias engenhocas semelhantes para testar, palestras para assistir, drones a voar e um mundo de coisas giras para fazer, aprender e experimentar.

É preciso pagar para entrar Lisbon Maker Faire?
Não. Graças ao esforços dos patrocinadores e de muitos voluntários, a LISBON MAKER FAIRE é completamente grátis. Não se paga nada. Nicles :) Mas é preciso adquirir os bilhetes no site.

Mas não é grátis? Bilhetes para quê então?!
Calma, é mesmo, mesmo, mesmo grátis. Mas é preciso bilhete para obter estatísticas de afluência de publico. O registo é feito aqui, pela Eventbrite (site da LISBON MAKER FAIRE).

Thursday, 16 July 2015

sbroing I - O Projeto

Algures a meio de Março deste ano, em jeito de conversa sobre livros e tecnologias, surge uma ideia: porque não dar mais atenção a AUDIOLIVROS?

À mesa estava um programador (eu) e uma jornalista e locutora de rádio, Daniela Azevedo, uma voz que eu conhecia da M80 e do Cotonete. Nasce assim, depois de um café e dois dedos de conversa, o projecto sbroing. Não sabíamos ainda o que seria (aliás, em parte ainda não sabemos ;) mas sabíamos que seria fruto de duas pessoas a fazer aquilo que sabem fazer melhor, a Daniela Azevedo a narrar uma história e eu, Basílio Vieira a tratar de tudo que teria a ver com Podcasts, HTML, alojamentos, backups, configurações de servidores web e automatização de processos.

 
A dupla de sucesso por detrás do sbroing: a locutora Daniela Azevedo e o programador. 


O resultado, depois de dois meses de trabalho (e muita diversão) está à vista: um site em www.sbroing.com onde foram publicados os episódios do livro "O Principezinho", um trabalho de qualidade e sem falhas técnicas, um projeto onde tínhamos a liberdade de construir o nosso modelo editorial à medida que avançávamos e com decisões tomadas sempre com um grande espírito de camaradagem.

O autor, Antoine de Saint-Exupéry e O Principezinho


A escolha da obra "O Principezinho" foi um feliz acaso, o resultado de um ensaio fortuito em que eu ouvi o primeiro capítulo gravado pela Daniela e exclamei "CARAMBA, temos mesmo de fazer isto!" Só mais tarde reparámos que a obra tinha passado para domínio público em janeiro deste ano, ou seja 75 anos depois do falecimento do autor, Antoine de Saint-Exupéry, a obra passa a estar disponível para reprodução por qualquer pessoa que o pretenda fazer, o que facilitou bastante todo o processo. Por suprema ironia, eu nunca tinha lido a história embora já tivesse tropeçado nela algumas vezes ao longo da vida e confesso que fiquei espantado, quase chocado, com o final.

Tive então o privilégio de descobrir a história interpretada por um talento vocal que faz jus a esta grande obra e que dá gosto a ouvir, não apenas por ter uma dicção irrepreensível e pronunciar as SÍ-LA-BAS TO-DAS, como também pela capacidade de alternar entre 3 ou 4 vozes diferentes em cada episódio, sempre gravados numa única sessão, sem efeitos, sem emendas(!)

Um exemplo de um ficheiro audio de um episódio.
Pronto para ser publicado, sem necessidade de correções ou retoques. 

... Por comparação, quando eu, "o programador", entrava em estúdio para gravar os 8 míseros segundos dos textos de abertura e fecho de cada episódio, iniciava o processo de sofrimento da Daniela que me dizia "está quase, outra vez!", "não engulas as palavras, outra vez!", "respira antes das frases, outra vez!", "agora diz isso sem parecer que estás a ler uma bula de um medicamento, outra vez!" e às vezes, meia hora e vinte takes depois lá conseguíamos uma gravação que não me envergonhava.
A fazer "voz de rádio". Mas talento vocal é muito mais do que isso ;)


A moral disto tudo é que cada um é para aquilo que nasceu e que se esforçou para ser :D

Fica aqui a promessa de mais 2 blogposts sobre o sbroing, um mais técnico onde irei partilhar questões relacionadas com a edição e publicação digital de conteúdos em podcast e um sobre a nossa mascote, o sbroing, uma ameba que ganhou vida própria e que diverte miúdos e graúdos.

14 episódios depois, estamos a chegar ao final de uma história que tem muito para ensinar a todos nós. Durante esta viagem de 14 episódios, aprendi muito e diverti-me bastante a planear sistemas e resolver problemas inesperados, conseguindo ver o fruto deste projeto aparecer e encantar ouvintes que nos fizeram chegar palavras de carinho e apoio pelo nosso esforço. Tudo junto fez com que fosse uma honra trabalhar ao lado da Daniela Azevedo para construir este sbroing :)




Obrigado a todos por esta viagem. O sbroing irá continuar com outras histórias de encantar e com muitas surpresas.

Até já!


Wikipédia - Daniela Azevedo (Jornalista / Locutora)

Site da M80
Site do Cotonete

Site do sbroing - Podcasts e Audiolivros
sbroing no Facebook

Wednesday, 13 May 2015

Li um livro: "Rebooting Democracy" / "Reinventar a Democracia"

"Rebooting Democracy", que foi agora editado em português com o título "Reinventar a Democracia", é um livro transversal a vários países que não se foca apenas no que está errado mas que aponta também dicas de caminhos para uma sociedade mais activa.

Ao desmontar a visão distorcida que fabricámos dos políticos, Manuel Arriaga leva-nos a compreender de que forma optámos por confiar em alguém que, por natureza, não serve os nossos interesses e paradoxalmente é visto pelos cidadãos como um elemento mais inteligente e mais culto do que nós meros eleitores. Ao confrontar-nos com a, agora óbvia, contradição entre a imagem fabricada dos políticos e a sua verdadeira ineficiência em servir aqueles que deveriam ser os interesses máximos, damos então um primeiro passo para compreender a dimensão do problema da Democracia actual.

O autor consegue estabelecer um equilíbrio entre os dados académicos e os exemplos acessíveis e temos por isso capítulos que nos relembram as origens da democracia e dos sistemas políticos actuais contando uma útil lição de História e também capítulos que apresentam os mecanismos que todos seguimos através da alegoria de uma simples mercearia que representa a nossa sociedade e a forma como desistimos de exercer controlo sobre os nossos políticos eleitos, comparando-os aos gestor da mesma.

"A democracia é a pior forma de governo à excepção de todas as outras que foram testadas."

Este comentário falacioso, tantas vezes brandido como um dogma actual para consolidar o estado das coisas, é o ponto de partida para uma visita guiada a uma coleção de alternativas de governo (que já passaram pelo teste dos tempos) e que poderão, no futuro ser uma saída para o cenário de catástrofe eminente em que nos colocámos de forma voluntária.

Manuel Arriaga, nascido numa jovem democracia é alguém da geração certa: nem muito velho para ter desistido de mudar a sociedade, nem muito novo a ponto de não ter uma visão abrangente das transformações que a Europa sofreu recentemente é por isso o autor perfeito para um livro que recomendo às camadas mais jovens que estão agora a iniciar a sua vida adulta e que serão instrumentos e maestros da mudança que necessitamos para uma sociedade global mais justa e sustentável.


Editora: Manuscrito
Autor: Manuel Arriaga (Twitter)
Site: rebootdemocracy.org/book

Thursday, 30 April 2015

Ainda a propósito do 25 de Abril: Um e-mural

Quem me conhece sabe a minha opinião sobre graffitis e tags. Mas à margem disso, não posso deixar de escrever algumas linhas sobre esta intervenção que apareceu no muro da estação de Santa Apolónia:





Alguém achou por bem escrever quatro linhas, num total de 142(!) caracteres, representando um link, um endereço de internet que aponta para algo alojado num servidor.
Posso apenas presumir que o autor pretendia chamar a atenção para algo de uma forma invulgar, convidando o transeunte a escrever o endereço num browser. Teríamos assim um mural que se revelaria através da internet:



Um e-mural, por assim dizer.


No entanto, duas coisas correram mal:

Falha 1 - O endereço é MESMO muito longo; 142 caracteres é algo impensável para alguém normal tentar escrever apenas com o intuito de ver o que aparece. Por comparação, o endereço desta página que está a ler é http://www.basilio.eu/2015/04/mural25a.html e tem 43 caracteres, menos de um terço do texto que o autor teve o trabalho de escrever num processo que imagino que terá sido longo e penoso.

Falha 2 - Existem pelo menos 5 erros no endereço escrito na parede o que fere de morte qualquer tentativa leviana de consultar o significado do mural.



O que está escrito na parede é:

http://im90.rtp.pt/icm/thumb/phpthumb.php?src=
/noticias/images/5c194081c7c874a634
dc895f7e3f5f57&w=620&sxf0&sy=
90&sw=1007&sh=552&q=75&w=620

mas o endereço correcto seria:

http://img0.rtp.pt/icm/thumb/phpThumb.php?src=
/noticias/images/5c/5c194081c7c874a634
dc895f7e3f5f57&w=620&sx=0&sy=
90&sw=1007&sh=552&q=75&w=620

(conseguem encontrar as diferenças?...)


Desconheço o autor, desconheço o que o levou a escolher este método e desconheço até se ele saberia usar a alternativa de encurtar um endereço e substituir toda aquela algarviada por apenas 20 caracteres:

a versão curta do mesmo endereço


Fica assim desvendado o mistério daquelas linhas e até pode ser que o graffiti um dia venha a ser alterado por um outro artista anónimo.


Porque pintar isto... 

... seria o mesmo que pintar isto ;^)

Links para referência

Notícia da RTP onde está inserida a fotografia: Heróis anónimos da Revolução dos Cravos

Wednesday, 1 April 2015

Entrevista para o Cidadania 2.0

Tive o prazer de ser entrevistado pela plataforma Cidadania 2.0 "um evento sem fins lucrativos, organizado por três cidadãos, que pretende inspirar, informar e impulsionar projetos que, através das redes e ferramentas sociais, dados abertos e aplicações móveis, promovem o diálogo em sociedade e a participação ativa dos cidadãos", a minha definição favorita, encontrada neste Explicador do Observador.

Quero deixar aqui um grande obrigado à Daniela Azevedo pela colaboração necessária para garantir a qualidade e profissionalismo do artigo final.

Esta entrevista foi também um momento que serviu de reflexão para uma viagem iniciada em 2010 com o apoio de tantos amigos e parceiros. Aproveitemos então esta energia para novos e renovados projectos!



Saiba mais em:

Movimento Entrada Norte
Uma proposta para melhorar a acessibilidade em Lisboa - Santa Apolónia

#MeioMetroLX
Sinais de Avaria do Metropolitano de Lisboa

Mata-Tag
Torne a sua área mais bonita ajudando a eliminar os sinais de quem estraga o património dos outros.


Wednesday, 25 February 2015

Desculpa Rita, não é um OVNI



A propósito da fotografia que a Rita Red Shoes publicou no mural dela do Facebook onde teria acidentalmente captado um objecto voador não identificado, lamento dizer que é apenas um "flare", um reflexo no interior da lente causado por uma fonte de luz forte, neste caso o candeeiro no lado direito em baixo.

Não digo isto com maldade, até porque há uma grande probabilidade de existência de vida inteligente noutras partes do universo. No entanto, esta foto não documenta isso.

Tenho no entanto um apontamento a fazer ao jornal Público: A Rita não tem obrigação de saber o que é um "flare" e a jornalista Amanda Ribeiro também não tem obrigação de saber. Mas se algum fotógrafo do Público viu a foto, ele sim, tem a indiscutível obrigação de saber.

Quanto aos tontos da UFO Portugal, citados no artigo como "grupo que se dedica a investigar e divulgar o fenómeno OVNI por cá e pelo mundo", não sei se sabem o que é um "flare" na lente, apenas me incomoda a existência deles porque escamoteiam a verdade e isso é sempre mau para todos nós.

Dito isto, se a Rita for raptada por aliens simpáticos, tudo farei para estar na primeira linha do concerto dela em Marte :)


Saturday, 6 September 2014

Projecto eINKwall na Lisbon Maker Faire






PANFLETO COM INFORMAÇÃO: 

https://cld.pt/dl/download/61cebe5d-1958-425d-9b70-7affe84c304c/WebServer/einkwall/Projecto_eINKwall_v1_Flyer.pdf

(VERSÃO ALARGADA, AQUI)


eINKwall? O que é?
Uma forma de mostrar informação embutida numa parede normal de estuque. Ao contrário de um LCD, não parece estar lá nada até a informação aparecer. Funciona como por magia.

Para que serve?
Imaginem a entrada de um museu, uma sala grande e branca. Do lado direito o balcão de atendimento, do lado esquerdo uma parede branca onde se vê a webpage do museu. Mas não existe nenhum ecrã nem nenhum projector. A imagem não apresenta um rebordo definido, são apenas letras no meio de uma parede branca. Podem caminhar na direção da parede, tocá-la com os dedos. Não existe nenhum brilho de projector. A imagem apenas está lá como se tivesse sido pintada na parede. E depois (lentamente) o texto muda. Automagicamente.



Mas então não é um tipo de display novo?
Sim e não. Efectivamente, mostra coisas. Mas foi concebido para ser lento e artístico. Não é tecnologia nem é arte, é uma mistura dos dois mundos para representar informação de forma elegante.

UAU isso é fantástico. Qual a resolução?
Bem... haja dinheiro e vontade e podem cobrir uma parede com um display capaz de apresentar o texto nesta página de forma legível. O modelo que fiz tem uma resolução menor :) são apenas 64 pontos (ou pixels) numa grelha de 8 x 8.

Uma grelha de 8 x 8 pixels, porquê?
Porque comecei a minha carreira num ZX Spectrum e era esse o tamanho de cada caracter. Foram muitas horas a desenhar bonecos numa grelha de 8 x 8 para criar componentes para jogos.

Consegues mostrar texto com 8x8 pixels?
Sim. Uma letra. Duas nos caso de ".pt", o domínio de topo para Portugal :)
Também consigo mostrar icons, monstros, carinhas sorridentes, corações e o padrão da Cidade de Lisboa.

Funciona mesmo com magia?
Claro que não. Estou a usar Tintas Termocromáticas Reversíveis :)
... Mas parece magia ;)

Onde posso ver isso a funcionar?
Aparece na LISBON MAKER FAIRE no Pavilhão do Conhecimento, dias 19, 20 e 21 de setembro, um festival de criadores de coisas (engenhocas e similares). Além de veres a eINKwall, terás várias engenhocas semelhantes para testar, palestras para assistir, drones a voar e um mundo de coisas giras para fazer, aprender e experimentar.

É preciso pagar para entrar Lisbon Maker Faire?
Não. Graças ao esforços dos patrocinadores e de muitos voluntários, a LISBON MAKER FAIRE é completamente grátis. Não se paga nada. Nicles :) Mas é preciso adquirir os bilhetes no site.

Mas não é grátis? Bilhetes para quê então?!
Calma, é mesmo, mesmo, mesmo grátis. Mas é preciso bilhete para obter estatísticas de afluência de publico. O registo é feito aqui, pela Eventbrite (site da LISBON MAKER FAIRE).

Friday, 18 July 2014

5 razões para a parentalidade moderna estar em crise


tags: 

(TRADUÇÃO do artigo: "5 reasons why modern parenting is in crisis")

Este post é apenas uma tradução de um artigo publicado no Huffington Post. Porque concordo quase na globalidade com o que a Emma Jenner escreveu, acho importante partilhar com quem não domina o inglês. O artigo original está aqui.



Tradução do artigo no Huffington Post escrito por Emma Jenner.



5 razões para a parentalidade moderna estar em crise, conforme visto por uma educadora britânica.



Por norma sou uma pessoa otimista. Gosto de achar que tudo irá correr bem até prova em contrário e todos os que me conhecem sabem que não sou dada a dramas. Por isso, quando digo que a parentalidade moderna está em grandes sarilhos - diria mesmo, crise - espero que oiçam e prestem muita atenção. Trabalhei com pais e crianças em dois continentes durante duas décadas e o que assisto neste momento deixa-me alarmada. Eis, a meu ver, os maiores problemas:



1. Medo das nossas crianças.


Tenho aquilo a que chamo "o teste do copinho" em que observo uma mãe a dar um copo de leite à criança pela manhã. Se a criança diz "quero o copinho cor de rosa, não o azul!" mas a mãe já tinha colocado o leite no cor azul, observo atentamente a reação da mãe. Na maioria dos casos, a mãe para o que está a fazer e apressa-se a trocar os copos antes da criança começar uma birra. Falha! Mãe, de que tens medo? Quem é que manda aí? Deixe que a criança faça a birra e  afaste-se para não ter que a ouvir. Mas por amor de deus, não inventem mais trabalho só para agradar à criança - e mais importante, pensem na mensagem que estão a passar se lhe derem tudo o que ela quiser por que fez uma birra.



2. Baixar a fasquia.


Quando uma criança se comporta mal, seja uma birra em público ou uma atitude incorreta em privado, os pais tendem a encolher os ombros como quem diz "as crianças são assim". Acreditem, não tem de ser assim, as crianças são capazes de muito mais do que os pais tipicamente esperam delas, quer sejam bons modos, respeito pelos mais velhos, tarefas, generosidade ou auto-controle. Acham que uma criança não consegue ficar sentada durante um jantar num restaurante? Tretas. Acham que uma criança não consegue levantar os pratos da mesa sem lhe peçam isso? Mais tretas! A única razão porque elas não o fazem é porque vocês nunca lhe mostraram como o fazer e nem esperam que elas o façam! Tão simples quanto isso. Subam a fasquia e a criança estará à altura do desafio.



3. Perdemos a aldeia.


Antigamente os condutores do autocarro da escola, os professores, os funcionários das lojas e outros pais tinham permissão para pôr as crianças na ordem. Funcionavam como os olhos da mãe e do pai quando as crianças não estavam ao pé deles e todos trabalhavam para o mesmo interesse comum: criar rapazes e raparigas bem educados. Era uma aldeia que se apoiava nela mesma. Agora, quando alguém que não é pai da criança se atreve a corrigi-la os pais ficam chateados. Querem que o filho pareça perfeito e por norma não aceitam que lhes digam o contrário. Mais facilmente discutem com o professor do que disciplinam o próprio filho por se portar mal na sala de aula. Sentem uma necessidade de projectar uma imagem perfeita e infelizmente a insegurança deles é reforçada porque efectivamente os pais julgam os outros pais. Se uma criança está a fazer uma birra, todos olham para a mãe com um ar de reprovação. No entanto, ela deve ser apoiada porque muito provavelmente a birra deve-se à mãe não ter cedido a uma exigência do filho. Quem observa deveria estar a dizer "Ei, bom trabalho - eu sei que custa impor-lhes limites."



4. Recorrer a atalhos.


Acho fantástico que os pais tenham todo o tipo de dispositivos electrónicos para auxiliar durante viagens longas ou esperas prolongadas no consultório do médico. É igualmente fabuloso que possamos encomendar as mercearias pela web e aquecer comida quase saudável com apenas um toque no microondas. Os pais estão mais ocupados do que nunca e sou completamente a favor de facilitar quando é necessário. No entanto, os atalhos são um terreno cheio de armadilhas. Quando virem que o Ruca consegue distrair uma criança numa viagem longa, não sejam tentados a recorrer a isso num restaurante. As crianças continuam a ter de aprender ser pacientes. Continuam a ter de aprender a entreter-se sozinhas. Continuam a ter de aprender que a comida não vem toda quente e pronta em três minutos ou menos, e idealmente também aprenderão a ajudar a confeccioná-la. Os bebés têm que aprender a acalmar-se sozinhos em vez de serem colocados em baloiços automáticos sempre que estiverem agitados. As crianças têm de se levantar sozinhas quando caiem em vez de esticar os braços para os pais. Ensinem às crianças que os atalhos são úteis mas também que existe uma grande satisfação em fazer coisas de forma lenta.



5. Os pais colocam as necessidades das crianças antes das suas.


Biologicamente, os pais estão programados para tomar conta das crianças e isto é uma coisa boa para a evolução! Eu defendo que se adopte um horário ajustado às necessidades das crianças e a rotinas como alimentar e vestir as crianças primeiro. Mas os pais de hoje levaram isto longe de mais, prescindindo de todas as suas necessidades e saúde mental por causa das crianças. Assisto frequentemente a mães que se levantam vezes e vezes sem conta para satisfazer os caprichos das crianças. Ou a pais que largam tudo e atravessam o jardim zoológico a correr para dar uma bebida à filha porque ela tem sede. Não há mal nenhum em não ir ter com a criança quando ela quer mais um copo de água à noite. Não há mal nenhum no pai que está no jardim zoológico dizer "claro que podes beber algo, mas tens que esperar até passarmos perto da próxima fonte." Não há mal nenhum em pedir ao seu filho que se entretenha por alguns minutos porque a mamã quer privacidade na casa de banho ou até mesmo folhear uma revista.


Receio que se não começarmos a corrigir estes 5 erros graves de paternidade, estaremos a criar filhos que serão adultos egoístas e impacientes. Não será culpa deles - será nossa. Não os educámos de outra forma, nunca esperámos mais deles. Nunca quisemos que eles sentissem algum desconforto, e quando tal acontece, lamentavelmente eles não estão preparados para isso. Portanto, pais e educadores de Londres a Los Angeles e em todo o mundo, por favor exijam mais. Esperem mais. Partilhem as vossas lutas. Dêem menos. Vamos corrigir essas crianças e, juntos, prepará-los para o mundo real e não para redoma de proteção que criámos para eles.



Tuesday, 27 May 2014

Namorada de transição


ATUALIZAÇÃO:
27 de Setembro, 4 meses depois, António José Seguro percebeu o que estava aqui escrito.

______________________________

(Artigo original escrito a 27 de Maio de 2014)


2014


Vivemos hoje aquele momento em que o José Seguro percebe que era apenas a namorada de transição, a relação não duradoura que às vezes ocorre depois de um divórcio e antes do início de uma relação mais séria e estável; É a velha história "Rapaz separa-se de Rapariga Nº1, Rapaz namora com Rapariga Nº2 que é maluca da cabeça, Rapaz termina com maluca e começa a namorar com a Rapariga Nº3. E vivem felizes para sempre."

2004

Lembram-se de Ferro Rodrigues, secretário do PS entre o António Guterres (que se foi embora) e o José Sócrates? Reparem: quando o Durão Barroso se foi embora (também) o Sampaio olhou para o PS e disse "OK, quem está lá é a namorada de transição (o Ferro Rodrigues)".
Diz então ao Durão Barroso "fica descansado, vai lá tratar da tua vidinha que eu não dissolvo o parlamento (...já)". Pega depois no telefone e liga para o Largo do Rato: "OK malta, ponham lá a casa em ordem."

Congresso extraordinário, Ferro Rodrigues descobre que nunca viria a ser primeiro-ministro e José "O Desejado" Sócrates, sobe a secretário geral do PS.

De seguida o Presidente Sampaio faz a única coisa que um presidente em Portugal faz (de relevante): dissolve a assembleia. Vamos então para eleições com o PSD desorganizado e o PS prontinho para a coisa. O resultado só podia ser um: Sócrates primeiro ministro.

Estamos hoje a assistir à mesma coisa com o José Seguro / António Costa: O José Seguro era apenas a namorada de transição.

Vamos agora repetir este fraco teatro. Mudem os nomes.

Tuesday, 22 April 2014

SAPO Codebits - O que é?



O SAPO Codebits é, informaticamente, o meu ponto alto de cada ano.

Desde que me dedico à informática que procuro o convívio com outras pessoas que partilhem a mesma paixão. Durante os anos 80/90 foram as BBS que permitiram o encontro de pessoas e ideias dentro da comunidade. E tínhamos a INFORPOR, grande feira anual de informática na antiga FIL, o local de eleição para apresentar as novidades do sector até que num mundo ligado pela Internet as novidades apareciam diariamente e esse grande certame anual deixou de ser um ponto de encontro da comunidade.

Também as BBS foram substituídas pelos fóruns da Internet e pelo IRC. Mas esses novos canais não me satisfizeram completamente e por essa e por várias razões, algumas difíceis de perceber, estive vários anos um pouco mais afastado da minha comunidade.

Em 2009 vejo a reportagem na RTP e grito para mim "Caramba, esqueci-me outra vez." Em Julho de 2010, depois de uma conversa com o Pedro Pinheiro (@ppinheiro76 no Twitter e um fotógrafo completo) estou na fila da frente para apresentar a minha inscrição no site www.codebits.eu para a edição IV. Escrevo um breve e bem-disposto resumo da minha vida até aquele dia e termino o currículo apresentado com "... and in 2010 applies for Codebits."

Os próximos 4 meses foram passados a trabalhar em puzzles descabidos que eram lançados no site para ser resolvidos por quem estivesse interessado :) Uma espécie de play-off antes do grande evento de três dias. Ao longo desses meses fiquei a saber quem era Bo Didley, as fases de crescimento do cabelo, a fórmula química da cafeína, piadas sardónicas sobre o Star Trek e assisti a um desafio memorável de JavaScript golf, ao tentar fazer um descodificador de Morse com o menor tamanho possível. Se a memória não me atraiçoa, a Paula Valença (@phantas no Twitter) terá dizimado a coisa com perto de 116 bytes(!).

Um puzzle após outro ia estreitando os laços com os meus colegas de candidatura, o grupo com quem teria o privilégio de passar os 3 dias do fim-de-semana no Pavilhão Atlântico (agora MEO Arena) onde ocupámos a Sala Tejo para viver, rir, pensar, programar e congeminar uma aplicação para submeter ao 48-Hour Programming Contest.

A organização esforça-se para que não seja apenas um evento de programação e a prova disso são os Tacos Nucleares, um sabor que não se encontra em mais nenhuma outra comida que tenha provado em Portugal. Mesmo a comida indiana, normalmente picante e condimentada, não consegue aproximar-se da experiência que se vive ao consumir na íntegra uma dose de carne picada com molho de chili à base de Bhut Jolokia, o pimento mais picante de todos os pimentos picantes. A sensação de ardor intenso aliada a um sabor único dá-nos um conhecimento único do nosso sistema digestivo. Outro momento imperdível é o Codebits Quiz Show, uma versão geek dos concursos de TV com boa-disposição, perguntas com rasteiras, alguma nostalgia e sempre cheio de adrenalina.

Demoraremos algum tempo a fazer o balanço do impacto do Codebits na nossa sociedade, mas para mim é claro e óbvio que toda a energia gerada naqueles três dias frenéticos e a força de acreditar em coisas positivas (num mundo regado de más notícias) deixa uma vontade de tornar o mundo um local melhor. E nesse aspecto estaremos sempre em dívida para com a PT e o SAPO que se esforçam anos após ano para criar um evento extraordinário.

E o que acontece quando se junta quase um milhar dos melhores profissionais e estudantes da área das tecnologias? Coisas extraordinárias.

Sempre.

Codebits VII em 2014 / Projecto NeLo - Novo Joelho

Caramba, ainda não consegui escrever este post sobre os 3 dias de loucura do Codebits e sobre o Projecto NeLo criado e apresentado por mim, pelo Pedro Leite e pela Carolina Correia.




GANHÁMOS O PRIMEIRO PRÉMIO :D

Uma honra que traz uma grande responsabilidade. Ao trabalho!

Saturday, 1 February 2014

THE BOTS ARE COMING! THE BOTS ARE COMING! THE BOTS ARE COMING! ... to Google Hangout.

Sim, a revolta das máquinas deu mais um passo em frente e agora já chegam até nós como personagens que tentam estabelecer uma conversa no Google Hangout. No entanto o objectivo não parece ser o domínio do mundo e a escravidão da raça humana mas apenas atrair incautos para um site de meninas descascadas. Enfim, business as usual...


Friday, 24 January 2014

Geocaching em 2014.

Hoje dou uma geocache para adopção.

O Geocaching é uma caça ao tesouro dos tempos modernos, um desporto estranho com GPS a que me dedico desde 2005. Nestes quase 9 anos não consigo apontar todas as vantagens de sair à rua e subir um monte como alternativa a ficar no sofá a vegetar em frente à televisão. Nem tão pouco consigo aqui partilhar todas as amizades que travei com colegas geocachers as quais muito prezo. Foram quase 9 anos recheados de coisas boas, de vitórias e obstáculos que se ultrapassaram. Foi um processo que me enriqueceu muito como pessoa e que não deixarei para trás porque todas as experiências que vivi fazem agora parte de mim.

Dar hoje uma geocache para adopção significa passar o testemunho a outro jogador que continuará a manter aquele ponto que faz parte de um jogo global com literalmente milhões de pontos físicos e milhões de jogadores activos. Significa também que algo mudou na nossa sociedade e que eu não pretendo de forma alguma entrar na guerra de quem opta por fazer anti-jogo, retirando regularmente os elementos do jogo do local determinado. Se gostasse de anti-jogo, assistiria ao futebol que se pratica em Portugal. E se acreditasse em coincidências, seria católico.

A geocache está num local incontornável do turismo em Lisboa e fica entregue a alguém que, como eu, gosta de desafiar os limites do habitual. Quem me conhece sabe que admiro o esforço extra que se coloca para obter um produto acima do banal e fácil, seja na música, na programação, na dança ou no design industrial. Fica bem entregue esta geocache que dou hoje para adopção.

... e o jogo segue.

Obrigado por tudo. A todos.

BaiaVieira
Geocacher.

Tuesday, 21 January 2014

Vi o The Hunger Games.

Talvez com um ano de atraso em relação ao resto da Humanidade mas finalmente lá arranjei tempo para ver os Jogos da Fome. Confesso que comecei a vê-lo com alguns preconceitos, esperava mais um filme sobre uma sociedade distópica a viver mais uma guerra de escassez.


Acaba por ser uma introspecção sobre o refinado espectáculo que gostamos de assistir desde os Gladiadores, agora cruzado com o Truman Show e Casa dos Segredos, com a Teresa Guilherme a ser substituída pela dupla Elizabeth Banks / Woody Harrelson, o actor principal do “Natural Born Killers”. Este espectáculo, que começara como um castigo, uma lembrança política das consequências de uma revolta, tornou-se rapidamente num espectáculo degradante gerido com a mestria de um bom programa televisivo. E como era algo completamente contra a natureza humana só foi permitido que durasse... 75 anos.


Aplaudi a fotografia e os actores e ao mesmo tempo não consegui sacudir a estranha semelhança entre a Cornucópia no centro da Arena a Casa da Música no Porto. Aconselho a todos que o vejam pela perspectiva que nos dá de nós próprios e irei obviamente ver o terceiro e quarto filme desta trilogia mesmo sendo um argumento sem grandes surpresas: os maus são castigados e os bons recompensados. Continuar a ver porque é divertido e está feito com esforço e dedicação por pessoas cujo emprego é fazer com que as pessoas se distraiam e não pensem nos verdadeiros problemas.

... Aliás, logo no inicio apresenta-nos a pergunta mais relevante dos Jogos da Fome: "E se deixássemos de assistir?"

Thursday, 5 December 2013

Esquisitóide

Quando estiveste cá há um bocado
Não te consegui olhar de frente
Pareces um anjo
A tua pele faz-me chorar

Flutuas como uma pena
Num mundo lindo
Gostava de ser especial
Tu és especial comó caraças

Mas eu sou um totó, sou um esquisitóide
Que raio faço eu aqui?
Eu não pertenço aqui

Não quero saber se dói
Quero ter controlo
Quero um corpo perfeito
Quero uma alma perfeita

Eu quero que repares
Quando não estou por perto
Tu és especial comó caraças
Eu queria ser especial

Radiohead - Creep
(Tradução liberal)

Thursday, 21 November 2013

Raspas de Cobre



Há muito, muito tempo atrás, uma pequena empresa tinha um TELEX, um elemento esforçado da grande engrenagem da empresa, que representava na altura o pináculo da tecnologia e permitia um contacto quase instantâneo com os ricos clientes e simpáticos fornecedores.

Os anos passaram e o TELEX foi considerado obsoleto: era a época do Telefax ou telecópia (ou apenas fax), essa maravilha dos anos 80 que permitia enviar instantaneamente pedidos e informações em folhas A4 que eram recriadas por escribas electrónicos directamente no escritório dos ricos clientes e simpáticos fornecedores.

E como o mundo não pára, eis que chegam os loucos anos 90 e com eles o acesso à Internet, essa estranha rede de computadores à qual se acedia por modems capazes de velocidades minúsculas para os tempos actuais mas, mesmo assim importantes para o negócio da empresa.

A ligação Internet tem muitas coisas curiosas e uma delas é a forma como se comunica com todo esse mundo de computadores: Foi apenas uma evolução natural que fez com que o modem de 14.4 Kbps fosse substituído por uma linha RDIS com 64 Kbps e alguns anos mais tarde chegamos à gloriosa época do ADSL.

Por alturas do ano 2000, após percebermos que o mundo não tinha acabado conforme anunciado, dedicamo-nos a problemas mais mundanos: reclamar com a PT da qualidade das linhas, porque ouvíamos mal os ricos clientes e simpáticos fornecedores. E o nosso fornecedores de telecomunicações informou-nos logo "Fiquem descansados que por serem clientes empresariais, muito importantes para a PT Negócios, iremos dar uma solução imediata a este problema!"

Mas... a solução tardava em aparecer. À chegada de cada Inverno surgiam os problemas de ligação, os ruídos de crepitar, as chamadas caídas, o acesso ADSL que deixava de funcionar.

Pois, o problema é que o cabo anterior que já vinha dos tempos do TELEX, essa colecção de remendos de cobre e caixas de rua semi-destruídas que nos ligava à central da PT já acusava alguns problemas mesmo nos tempos do saudoso TELEX e só por uma sucessão de infelizes acontecimentos conseguiu sobreviver até 2004. Por uma também infeliz coincidência, era precisamente essa colecção de remendos que mantinha todas as comunicações da empresa, tão importantes para trocar informações com os ricos clientes e simpáticos fornecedores.

Mas tudo iria mudar em 2004: Finalmente teríamos um cabo com 10 pares (dez!) que vinha directamente do interior da central até às instalações do cliente e iria assegurar as ligações em grande velocidade e conforto.

De promessa em promessa, assistimos à chegada do cabo (dourado), esse sebastião que nos ligaria directamente à central da PT em substituição do cabo anterior que iria gozar uma merecida reforma no paraíso dos cabos de cobre do século passado.

(As "raspas de cobre" e o ponto de chegada do "cabo dourado")

Faltava apenas o "baldeamento", expressão técnica que se usa para o processo de desligar um par de fios num quadro de ligações e ligá-lo um pouco mais ao lado. Um acto singelo que não demoraria mais do que 3, talvez 5 minutos. Mas...

O ano de 2004 passou e chegou 2005 (e depois os seus irmãos). O baldeamento não ocorria. Continuaram guardadas as garrafas de champanhe que seriam usadas para celebrar a entrada nessa grande época comunicações estáveis. E todos os invernos, sem falta, os telefones falhavam, as chamadas caiam e os routers ADSL redobravam esforços para manter as comunicações a fluir.

2006 foi o ano da proposta da OPTIMUS. E o novo operador promete-nos o almejado baldeamento dos serviços. Agora sim, seriamos libertados da idade das trevas e tudo funcionaria.

Mas... afinal as coisas não correm tão bem como os delegados comerciais da OPTIMUS prometem. O baldeamento não ocorre, os problemas técnicos sucedem-se e juntam-se-lhe alguns problemas comerciais habituais em qualquer relação com a OPTIMUS.

7 anos depois, estamos em 2013. Terminamos os contractos com a OPTIMUS e mudamos todas as comunicações para a VODAFONE. Os serviços, esses continuavam a existir nas mesmas raspas de cobre que a PT insistia em usar para nos ligar à sua central.

E o inverno chegou. E com ele as falhas habituais nas ligações e o drama de ligar para o operador a reclamar de uma linha insiste em não funcionar.

A VODAFONE atende prontamente e diz "Fiquem descansados, isso é um problema da PT, mas iremos colocar aí amanhã um Kit de Intervenção para que possam continuar a trabalhar." Soube então que o Kit de Intervenção era um telemóvel que fingia ser uma linha da PT. Os nossos serviços funcionavam sem grandes problemas e a VODAFONE ia fazendo testes e insistindo que o problema seria do lado da PT enquanto a PT insistia que era do lado da VODAFONE.

A teima acaba no dia da "intervenção conjunta" quando chega uma equipa da VODAFONE e outra da PT e determina-se o que já estava mais que determinado, que  o cabo (ou o "remendo de raspas de cobre") estaria partido a 350 metros do escritório.

A PT iria agora remendar mais uma vez.

Mas... eis que o técnico da VODAFONE, com indicações expressas de não aceitar essa resposta, dá a instrução para que a PT usasse o outro cabo, o tal de 2004 que estava desemparado e sozinho, sem uso nos últimos 8 anos (sem uso, se excluirmos um circuito ADSL de 16 Mbits que foi lá instalado há uns meses e que obviamente não acusava nenhum destes problemas.)

"Baldeie-se, então!" é a ordem que se repete ao telemóvel para o colega que está na central da PT.
Eis que após 8 minutos (E 8 ANOS!) todas as comunicações voltam a funcionar e a empresa é transportada para o Século XXI.

Este momento quase que me fez vir as lágrimas aos olhos.

Esta história diz muito sobre a PT, sobre a OPTIMUS e sobre a VODAFONE.

Friday, 25 October 2013

Logótipo "Herdade do Crespo"

Estava a terminar o ano de 2002 quando toca o telefone e pedem-me "que arranje um logótipo para a Herdade do Crespo". Tarefa simples, não fosse eu programador :)
A empresa gere um monte algures no "Alentejo profundo" e a inspiração para o logótipo partiu das cores da terra e símbolos tradicionais das actividades agrícolas. Depois de alguns esboços, eis o resultado final:


Ah... e escreve-se mesmo "Logótipo", embora "Logotipo" também seja aceite:
http://www.flip.pt/Duvidas-Linguisticas/Duvida-Linguistica.aspx?DID=854


Saturday, 5 October 2013

Don't buy the JVC KD-X250-BT Radio.

A couple of months ago I bought a JVC KD-X250-BT. This turned out to be a very disappointing buy.
Although it connects with 2 phones at the same time, switching between them is a nightmare: you have to enter the menu, disconnect one and reconnect the second one. Only then you can start playing the songs from the right phone.

Entering the menu means pressing MENU for 3 seconds. And them carefully using a lousy volume knob (that always overshoots) to navigate the menus. And then you cannot turn the volume up or down before pressing RETURN for... 3 seconds. While driving.

Takes 20 seconds(!) to connect to the phone (Android or iPhone) and every time it connects to the phone it STOPS the music (it's called a Music Player, I call it a Music Stopper). Turn the engine off and on again just makes you repeat all over again: wait 20 seconds, press MENU (for play), enjoy your music. Argh...

Bluetooth is poorly implemented: pairing is cryptic to say the least, disconnects randomly and has a 3 second (!) lag on every function. Press PLAY... wait 3 seconds. Press NEXT... wait 3 seconds... Press RANDOM... wait 3 seconds...

It's a very poorly designed thing. Even JVC has better units than this one.

I've posted this review on Amazon:
http://www.amazon.com/review/RYR6CHSUHYZVY

Monday, 30 September 2013

ELEIÇÕES 2013 - Sobre a "vitória" do PCP em Loures

Muito se vai escrever ainda sobre as eleições autárquicas de 30 de Setembro. Quero deixar aqui a conclusão a que cheguei sobre Loures e os comunistas nos últimos 40 anos e os poucos anos de governação camarária PS.


Lembro-me de ser um jovem e ouvir o Krus Abecassis, na altura Presidente da Câmara de Lisboa a afirmar publicamente "enquanto Loures for comunista nunca terá Metropolitano". O porquê desta afirmação será analisado mais tarde mas ficou-me na altura a referência de Loures como um bastião comunista a norte de Lisboa.


Uma década mais tarde morei em Loures e percebi o significado da governação comunista: respirava-se um clima permanente de comício, tinham um enorme Pavilhão da Paz e Amizade (porque a cultura é importante para o povo) e ao mesmo tempo o maior número de barracas e construções ilegais. Notava-se claramente uma cultura de arrebanhar pobrezinhos para usar como arma de arremesso político. E a classe mais baixa votava em peso no Partido Comunista. Vitória atrás de vitória.


Chegamos a 1998 e ocorre a recuperação urbana do Parque das Nações que, à semelhança do que aconteceu meio século antes no Restelo, deixa de ser um esgoto urbano para ser tornar uma zona apetecível para viver. Isto vem desequilibrar fortemente a distribuição de classes sociais em Loures. Ironicamente, uma das zonas mais caras de Lisboa, metade do Parque das Nações, pertencia ao concelho de Loures e isso sentiu logo nas primeiras eleições. Vitória histórica do PS durante 12 anos. Perfeitamente normal. Ou alguém achava que a classe média/alta iria votar PCP? 


E eis que chegámos a 2013: o Parque das Nações, depois de uma década a reclamar por viver dividido entre dois concelhos consegue, com a reforma das freguesias, a desanexação de Loures. O resultado eleitoral vem dar a vitória à lista independente, ficando o PS em segundo lugar na nova freguesia.



(Alambique - WikiMedia)

Agora digam lá... depois de se retirar os votantes não-comunistas do Parque das Nações e de "destilar" o comunismo no Concelho de Loures, quem é que se surpreende com o aumento de mais de 25% nas votações do PCP para Loures?


A piada da democracia é que, excluindo algumas ocorrências bizarras, dá as pessoas aquilo que elas querem, por muito idiota que isso possa ser. E Loures quer mesmo ser comunista. E será comunista durante mais umas décadas valentes com os resultados esperados. Por muito idiota que isso possa ser. 




Sunday, 8 September 2013

Adicionar coordenadas aos contactos no iPhone

(Este post foi construído com base em informação que encontrei em iOS Developer Library e no blog de Brag Diggs)


Experimente o leitor fazer este exercício simples. Imagine que tem um amigo que mora num local sem endereço de porta. Não precisa de ser algo no meio do mato, basta que seja um ponto numa rua/estrada sem número de polícia. Neste exemplo usarei uma casa próximo da Estrada Nacional 10, uma via que começa após o Parque das Nações, passa por Samora Correia e Setúbal antes de terminar em Cacilhas. São 144Km de estrada e é fácil de compreender que a indicação habitual "N10, 2600 Vila Franca de Xira" é inútil porque aponta para um local a 20 quilómetros do pretendido.

1) Abra o Mapas no iPhone, escolha um ponto. 
2) Mantenha o dedo no mapa até aparecer um alfinete.
3) Clique na seta que aparece e escolha "Contactos"
4) Pode agora adicionar o local a um contacto.

E tudo corre bem se a morada for algo semelhante a "Rua do Sol ao Rato, 42, Lisboa". No entanto, no caso da morada que adicionar ser algo do semelhante a "2135 Samora Correia" todo este trabalho é perfeitamente inútil e quando dali por uma semana tentar voltar ao local irá perceber que essa indicação leva-o a um ponto a 15 quilómetros de Samora Correia.

O problema é o iOS não aceitar coordenadas nas moradas e optar sempre pela morada mais próxima com resultados desastrosos na maior parte dos casos.

Então, como proceder para adicionar um local com as coordenadas 38.9035 , -8.8437 a um contacto?

Simples, coloquem no campo "Web" do contacto o seguinte texto maps:ll=q?=38.9035,-8.8437

Este texto que o iPhone interpreta como Latitude/Longitude de um ponto é um link para um URL, uma forma elaborada de dizer que podem guardar qualquer local desde que escrevam no campo "Web" do contacto maps:ll=q?= seguido das coordenadas (latitude e longitude) separadas por uma vírgula.




Existem outras variantes que podem ser usadas para forçar a escolha da aplicação de GPS pretendida.


Apple Maps:maps:ll=&q=38.9035,-8.8437 

Google Maps:comgooglemaps://?daddr=38.9035,-8.8437&directionsmode=driving


TomTom:tomtomhome:geo:action=navigateto
&lat=38.9035&long=-8.8437&name=Casa